14 julho 2010

Andar faz bem

Andar faz bem. Lembro de nosso passo calmo. Na verdade o teu calmo e o meu apressado. Eu sempre to correndo de alguma forma, desculpa. Mas voltando, andar faz bem. Andar do teu lado é melhor ainda. Lembro do cheiro daquele dia, ou estou inventando o cheiro agora, aquele cheiro de nostalgia, de guardado. E olha que nem faz tanto tempo. Domingo de sol, ruas vazias. Fechando o olho e imaginando uma fotografia me vem a cabeça aquele efeito de envelhecimento. Acho que se chama sépia. Mas o mais engraçado é que realmente não faz tanto tempo assim! Um mês? Talvez até menos. Esperamos a eternidade por esse momento. Tem um poema do Drummond que fala sobre isso. Balada do Amor Através das Idades o nome. Mas deixemos pra lá. Já estou meio cansado de citar Drummond em tudo que é texto meu, desculpa de novo. Ouço tua voz nesse exato momento falando para eu não pedir desculpa. E há uma irritaçãozinha nela. Sorrio sozinho e continuo andando... e lembrando.
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. A vida não é colorida, ela é preto e branco Zuza, às vezes ela fica colorida, só isso... você ta aqui, do lado bebendo um vinho... e a vida nesse exato momento fica meio sépia, uma mistura, nem preto e branco nem colorida... sépia... essa mistura é poética sabia?conhecer você e marcelo, esse apartamento, lud... a casa...tudo.... uma lindeza só!obrigada.... day

    ResponderExcluir