20 julho 2010

Glória Desejada

Tens olhos que baratinam
E um discreto brilho tímido de quem vives
Baratinada pelas escolhas não vividas
Numa elegância medrosa de quem chora.

Tens ar moça dengosa
De eterna espera pela alvorada
E uma voraz saliência que incomoda
Por não permitir-se ser amada.

Tudo queres na estrada torta
Menos a tortura da escolha errada
E a solidão batendo a porta.

Sonhas tanto com a triste outrora
Que esqueces que no presente ato
Vives dias de glória antes tão desejada.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário