03 agosto 2010

Amor é um só

Uma coisa que sempre penso: amor é um só. Claro que muitas vezes não sou tão coerente. Mas incoerência é uma forma de você colocar a prova tuas ideias. Um pouco de incoerência é sempre bom. Mas quando passa essa fase da incoerência, onde não consigo viver na prática determinado discurso meu, a ideia volta ainda mais forte. E falando isso reafirmo: o amor é um só!
Não gosto dessa coisa segmentada, encaixotada, engavetada de “amor de pai”, “amor de irmão”, “amor de amigo”, “amor de mãe”, “amor de namorado”. Tudo isso pra mim é uma grande bobagem. O sentimento amor é único e sendo único ele é o mesmo. O que diferencia as relações são outros detalhes. Amo algumas pessoas mas não são com todas elas que quero construir algo além do que já existe. Não são com todas que se divide a rotina chata, os grilos insanos, as trepadas homéricas, as crises da existência, o tédio. E ainda mais pragmaticamente, não são com todas as pessoas que você quer dividir a conta de aluguel, de luz, quer dividir o mesmo banheiro e a mesma cama, diariamente.
E não querer não significa não amar. Quando se ama existe (ou deveria existir) a liberdade do não querer também. Porque independente do sentimento que se tem pelo outro há coisas nesse outro que provavelmente não sejam compatíveis com você. Há coisas que definitivamente eu não tolero e amo pessoas que tem algumas dessas características intolerantes para mim. Querer não ficar muito perto, nesse caso, também é um ato de amor. Pois você sabe que a convivência diária vai acabar destruindo o elo mais bonito que existe entre você e o outro.
Não basta apenas amor para se viver um romance. Inclusive, acho que o romance precisa muito mais de outros tipos de sentimento do que propriamente do amor. Nunca vi alguém terminando um relacionamento com outro por falta de amor. Termina-se por falta de paixão, por incompatibilidade, por falta de fidelidade, falta de lealdade, até por falta de tempo mas por amor não. Alguns podem falar que quem é infiel ou ileal não ama. Eu discordo. Discordo porque somos humanos e como humanos respeito nossas falhas, nossos conflitos. Não consigo lidar direito com meus conflitos, quem sou eu para cobrar uma postura do outro que nem sei se eu teria. Mas logicamente falo isso sendo totalmente racional. Muito diferente de quando sou eu quem estou no olho do furacão. Incoerências, incoerências.
Por fim, você descobre se ama alguém quando o silêncio não incomoda mais. É o silêncio que rega o amor. O amor não precisa de nada além do silêncio para florescer...
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. SILÊNCIO PRA ESSE TEU TEXTO... SILÊNCIO....

    ResponderExcluir
  2. "Agora subitamente compreendia que o amor podia fazer com que se desejasse o momento que vem num impulso de vida... Sentia o mundo palpitar docemente em seu peito, doía-lhe o corpo como se nele suportasse a feminilidade de todas as mulheres."

    ResponderExcluir
  3. Bonito texto Zuza. Nele está a sua essência!Bjos!

    ResponderExcluir