03 abril 2011

Esperando

Roberto Carlos rola na caixa do notebook. Lá fora as nuvens cobrem o sol, penso que em algum lugar alguém agora está contemplando o azul do céu. A mim resta esse cinza quase preto. Mas não me incomodo, eu gosto desse tempo... me deixa mais calmo, mais conectado com a existência. Imagino que de alguma forma, em algum lugar, você está pensando em mim, ou em alguém como eu, como faço agora em relação a você, mesmo não sabendo ainda quem seja você, se você existe ou se é apenas uma criação do meu ideal feminino. Provavelmente exista e provavelmente está ouvindo alguma música antiga enquanto digita ou ler algo de frente pra tela. “Meu amor, tudo em volta está deserto, tudo certo”, canta o Rei enquanto penso em você, que na minha fantasia, nos meus sonhos vem para florear esse deserto. Lembro de uma amiga minha... há alguns anos atrás, nesse horário, estaria conversando sobre a vida na casa dela, provavelmente sobre você. Comendo trakinas e bebendo tampico ou me embebedando com algum espumante que ela tenha me oferecido. Era fraquíssimo pra bebida, na verdade ainda sou, mas naquela época era mais. Dois dedos de champanhe já seriam o suficiente para me deixar um pouco alto. Hoje preciso de algumas taças de vinho. Queria que chovesse muito, que o céu desabasse... mas fico pensando também nas pessoas que não tem o privilégio de ter um abrigo nas horas de tempestade... o mundo é cruel, a existência é cruel... as vezes fico tentando achar a resposta para isso tudo, para estar vivo, para continuar vivendo... seria tudo obra de um acaso cósmico, seriamos todos nós apenas partículas soltas num universo infinito? Ou será que há um propósito, que há uma razão para encontrarmos quem encontramos nessa vida... as vezes me vem aquela terrível sensação de que tudo já está escrito e que a única coisa que podemos fazer é esperar... a paciência é uma virtude. Mas esperar até quando? Estou esperando... e sei que você espera também. E quando ocorrerá o encontro? Ou talvez já tenha ocorrido, talvez você já faça parte da minha vida e ficamos nós dois que nem barata tonta cometendo os mesmos erros de sempre, insistindo em estradas tortas. O amor é pra ser vivido em sua totalidade penso eu. Sempre que ele brota é como uma dádiva, não é fácil achar... não gosto de quem é covarde com o amor, não gosto de quem não se joga... não gosto de quem o desperdiça. E acho que você também deve não gostar disso, não não... eu tenho certeza que você odeio. Se eu fecho os olhos eu posso quase vê seu sorriso... posso te ver escrevendo uma poesia nesse exato momento... e já te amo, mesmo não te conhecendo, ou te conhecendo infinitamente, sei lá...
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Raquel González3 de abril de 2011 11:11

    O que vc tem?? Seus textos tão transbordando melancolia.....

    ResponderExcluir
  2. é... isso ai.... eu tbm acho!texto intenso, simples e maravilhoso nego!!!!

    ResponderExcluir