25 outubro 2011

Firme e sólido

... Começo a divagar sobre as relações vividas e chego a conclusão que achamos mais simples abandonar o que foi construído e buscar um outro terreno para começar nova construção à optar pela reforma. Quando reformamos uma casa temos que lidar com o inconveniente da sujeira, do barulho das ferramentas, das pessoas estranhas no nosso cotidiano. No amor é igual e reformar dói. E não há garantia nenhuma de que vai ficar como se idealizou. Buscar o novo nos da a sensação de novas possibilidades e a ingenuidade de que não se cometerá erros antigos (e talvez não os cometa, mas novos sempre existirão). E então, vamos nós de novo escolher o terreno e prepará-lo, bater estaca, colocar as vigas, levantar as paredes, escolher as divisões, depois as cores, o piso, decoração e então quando tudo está pronto e tudo parece perfeito e finalmente você confortavelmente se senta na poltrona da sala de estar nota uma primeira rachadura, a primeira infiltração, a primeira infestação de baratas, cupins, o primeiro temporal que arranca quase todas as telhas e os trovões que fazem tudo desabar. E mais uma vez você se vê na mesma situação de antes. Pois o que era novo envelheceu. E você descobre que o tempo sempre cria rachaduras. E que de tempos em tempos tem que chamar eletricista, encanador, comprar Diabo Verde para desentupir o vaso, os ralos, trocar o colchão da cama pois já ficou desconfortável e corpo já reclama, trocar os móveis, reformar a cozinha, sala, o banheiro... E nesse momento, meio a constatação que fugir de reformas não é o caminho, você começa a olhar com certa gratidão para aquilo que demorou tanto para construir. Percebe que de perto toda construção tem suas imperfeições. E começa a encarar com certa simpatia aquele azulejo mal colocado e aquela pintura que não é exatamente o amarelo que estava na lata da tinta quando você comprou... Na geladeira - já com alguns riscos - pega uma cerveja, senta na velha poltrona com o formato do seu corpo e sorri ao perceber que a última chuva forte levou sim algumas telhas e desbotou toda a pintura, mas o terreno – e a escolha dele é o que faz toda a diferença na hora de optar pela reforma ou pelo novo - esse continuou firme e sólido.

Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. Tão firme e tão solido assim como sua alma também. E sem dizer que suas palavras, são sempre lindas!

    ResponderExcluir